Vereadores visitam ETE de Montes Claros

Devido a inúmeras cobranças da população em relação ao mau cheiro que vem da Estação de Tratamento de Esgoto da Copasa (ETE Vieira), a Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Montes Claros, visitou o local para averiguar a situação e tomar as devidas providências.

Os parlamentares foram recebidos pela equipe da Copasa que esclareceu os questionamentos envolvendo odores e coloração de cor escura nas águas que chegam nas residências montes-clarenses. O tratamento de esgoto é uma medida de saneamento básico tendo como objetivo acelerar o processo de purificação da água antes de ser devolvida ao meio ambiente ou reutilizada. A origem dessa água poluída se dá através da rede de esgoto proveniente de residências, comércios e indústrias.

Durante a reunião a equipe da Copasa explicou todos os procedimentos utilizados no tratamento do esgoto, anunciaram possíveis horários em que o odor pode estar mais em evidencia - das 11h30 até às 15h. Ainda de acordo com os especialistas, é nesse horário que as águas utilizadas como,  banheiro, cozinha entre outros chegam na ETE.

A Comissão de Meio Ambiente analisou todo espaço da ETE, equipamentos utilizados para o tratamento do esgoto e da água, sendo que são tratados em maquinários diferentes e não possuem contatos um com o outro. Os coordenadores da ETE pontuaram que não são os únicos que tratam esgotos na cidade, existem outras bases de tratamentos, como de indústrias.

O Vereador Soter Magno (PP), presidente da Comissão de Meio Ambiente, encaminhou ofícios solicitando relatórios sobre odores nas regiões, bem como, solicitaram também relatórios de outras estações de tratamento de esgoto como de outras empresas. representando a Comissão, também compareceram os vereadores, Ailton do Vilage (PHS), Júnior Martins (Cidadania) e Graça da Casa do Motor (PHS).

Confira as etapas do tratamento de esgoto:

Tanque de areia – o esgoto circula bem devagar para que a areia fique depositada no fundo do tanque;

Reatores – as bactérias dos depósitos contribuem para reduzir a poluição e originar o lodo;

Tanques de aeração – as bactérias aeróbias auxiliam na destruição das impurezas, à medida que produzem a oxigenação da água;

Decantador secundário – o esgoto fica em repouso, o que contribui para que quase todas as impurezas fiquem no fundo do reservatório;

Última etapa da fase líquida – outras bactérias estéreis, originadas pelos raios ultravioleta, terminam por consumir o restante das impurezas.

Somente aí a água retornará para o curso do rio;

Processo sólido – o lodo é secado, em um equipamento chamado adensador, para a total retirada da água, compactado e, assim, despejado em aterro sanitário.