Audiência mostra realidade da população em situação de rua

A Câmara de Montes Claros, através de iniciativa do Vereador Aldair Fagundes (PT), realizou na manhã desta quinta-feira (11/4), audiência pública para discutir sobre a realidade da população em situação de rua. De acordo com a Secretaria de Saúde, o número de pessoas nessa condição aumentou para 1.062.

Foram apresentadas medidas alternativas para amenizar a situação precária dos moradores que se abrigam principalmente na rodoviária, embaixo de pontes, praça da Matriz e Mercado Municipal. O coordenador do Movimento Nacional da População de Rua, Samuel Rodrigues, pontuou que a principal demanda desse grupo é acesso à saúde básica, moradia e alimentação.

O coordenador da Casa de Acolhimento Amor a Vida, pastor Josmar Xavier, ressaltou que falta oportunidade de trabalho para ex-detentos e pessoas em situação de rua. “Essas pessoas são reféns do sistema preconceituoso que julga esse público por não ter endereço fixo. Tem egressos do sistema prisional que saem dos presídios sem ter pra onde ir e acabam tornando moradores de rua”, afirmou o pastor.

A secretária de Saúde, Dulce Pimenta, apresentou o “Consultório na Rua” que funciona com equipe itinerante de profissionais da saúde para atender in loco a população em situação de rua. Além problemas com drogas e álcool, esse público enfrenta transtornos mentais e doenças sexualmente transmissíveis, como sifles e HIV. A secretária ainda destacou que essa equipe trabalha 40 horas semanais e que o público mencionado tem prioridade no sistema de saúde.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Social, Aurindo Ribeiro, políticas públicas estão sendo implantadas, como a criação do comitê para discutir o assunto semanalmente e recursos para encaminhar os moradores de rua para as cidades de origem. Aurindo também destacou que o Centro Pop oferece duas refeições diárias, local para banho e atividades recreativas, mas não tem espaço para abrigar a população.

Em agosto do ano passado, a Câmara aprovou o projeto n°54/2018 que dispõe sobre os contratos celebrados pelos órgãos e entidades da Administração Pública Municipal direta e indireta, empresas de obras e serviços, garantindo o oferecimento de 5% das vagas para ex-detentos, presos em regime semiaberto e também as pessoas que vivem em situação de rua.

“Acredito que o objetivo aqui foi alcançado. Agora esperamos que realmente essas propostas sejam executadas na prática. Muitos não conseguem emprego por falta de moradia, a única coisa que eles querem é respeito e dignidade para viver”, concluiu Aldair Fagundes.

 

Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Montes Claros