Bancada rural da Câmara pede mais segurança no campo

Bancada rural da Câmara pede mais segurança no campo Internet

A insegurança no campo é um dos temas mais preocupantes da atualidade. Os moradores da zona rural não tem a mesma tranquilidade de antes. Os roubos não são casuais, muitas vezes existem quadrilhas especializadas. Os criminosos levam gado, insumos, equipamentos. São registros dos mais variados. Crimes de diversos níveis. O assunto tem sido denunciado com frequência na Câmara Municipal de Montes Claros e a bancada ruralista pede mais atenção do Estado para o problema.

De acordo com Graça da Casa do Motor (PHS), a cobrança é grande por mais segurança.

“Os furtos estão por todos lados. As pessoas não podem mais deixar suas casas sozinhas. Quando um sai, outro fica. O território rural do município conta com cerca de 200 comunidades. Criminosos roubam aparelhos de som, animais. Há alguns dias, somente na Estrada da Produção, foram 15 roubos de botijões. Um absurdo. Para se ter uma ideia, bandidos estão furtando os painéis dos poços artesianos, que custam R$ 1,500 e vendem em ferros velhos a R$ 50. Uma perda grande, pois além do prejuízo financeiro, a população fica sem água.

Sérgio Pereira (DC) ressalta o relevante trabalho do militar da Patrulha Rural, Sargento “Pé Roxo”, conhecido por todos por sua bravura e dedicação no combate à criminalidade. Para ele, o policial presta um ótimo serviço, mas tanto ele quanto os militares precisam de mais estrutura.

“Os crimes costumam ocorrer durante a madrugada, incentivados pela falta de policiamento rural. Ninguém pode sair de casa. Walmir, Presidente do Assentamento de Mocambo Firme toda vez que ele sai vai bandido lá e “limpa” a casa, mas não é faxina. È roubo. A bandidagem está solta e é preciso de mais empenho do Estado para ofertar mais segurança para o povo da zona rural”, afirma Sérgio Pereira.

Ildeu Maia (PP) reconhece o esforço da Patrulha Rural, porém acredita que o serviço possa ser melhorado.

 

“São quase 200 quilômetros em Montes Claros e apenas duas equipes. Por mais que há um esforço a população fica desassistida, pois a cobertura não atende. Veja bem: se acontece algo em Aparecida do Mundo Novo até a PM chegar ao distrito já deu tempo de acontecer tudo. O ideal seria, pelo menos, uma dupla de policiais e uma viatura em cada local. Em eventos há uma grande carência. O Estado deve cumprir com a segurança, mas isso não está acontecendo”, afirma Ildeu.

Audiência Pública

A Presidente da Comissão de Agricultura, Maria Helena Lopes (PPL), informou que realizará, ainda em março, uma Audiência Pública para tentar buscar alternativas, com a participação da sociedade civil organizada e o poder público.

“Recebo reclamações de grandes e pequenos produtores. O que me assusta é que o problema é geral. Há roubos de diversos animais. Fora assassinatos e outros crimes. O campo precisa voltar a ser como antes. Há uma grande preocupação quanto às suas famílias que residem nas propriedades. A audiência visa criar um protocolo de intenções para ação conjunta de combate à violência no campo”, descreve Maria Helena.

O que diz a PM

Dados da 11ª Região da Polícia Militar apontam que, em 2018, foram 74 crimes violentos (roubos, estupros, homicídios, etc.). 81% deles foram roubos com uso de violência para subtração de bens. Até os primeiros dias de fevereiro deste ano, já foram sete crimes violentos, todos roubos. De acordo com a PM, como atividade de enfrentamento há duas unidades que atendem a zona rural de Montes Claros (10º e 50º Batalhões).

“A Patrulha Rural tem atividades exclusivas voltadas para atendimento preventivo e repressivo e desenvolve ainda projetos de prevenção à violência e criminalidade, realizando reuniões comunitárias e criando em algumas localidades os Conselho Comunitário de Segurança Pública (Consep) Rurais e redes de vizinhos protegidos. Nas comunidades onde ainda não têm essas iniciativas, os moradores podem solicitar junto aos respectivos Batalhões uma reunião com os integrantes da Patrulha Rural para implementarem essas e outras medidas preventivas”, afirma o Major Geovane Rodrigues, Chefe da Assessoria de Comunicação da 11ª RPM.

Assessoria de Comunicação
Câmara Municipal de Montes Claros