Câmara pede mais rigor quanto à fiscalização da poluição sonora no Centro

Câmara pede mais rigor quanto à fiscalização da poluição sonora  no Centro Ascom/CMMC

O natal é a melhor data para o comércio. E para chamar a atenção do cliente vale quase tudo, até montar um serviço de som na porta da loja, anunciando as promoções e convidando as pessoas para comprar.

O problema é quando a busca pelas vendas se torna um transtorno para quem circula no local. Essa situação foi levantada pelo vereador Edmílson Magalhães (PSDB).

“A disputa de som nas lojas do centro da cidade é uma coisa absurda. A população que passa não consegue entender nada e o barulho atrapalha também os lojistas que não fazem isso. É preciso que haja um braço forte. Uma fiscalização urgente por parte da Secretaria de Meio Ambiente”, destacou Edmílson.

O que diz a Prefeitura


A Assessoria de Comunicação da Câmara  procurou o chefe de fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente, Gilmar José Caldeira, que informou que houve uma reunião para discutir o problema, que nesta época do ano aumenta bastante. Foram definidas estratégias para buscar a solução.

“Os fiscais da secretaria, com o apoio de 24 guardas do Grupo Tático Ambiental, farão visitas às lojas. Os donos receberão um comunicado sobre a legislação, permanecendo no erro serão notificados. Se insistirem no erro, receberão multas que variam de R$50,00 a R$5.000,00”.

Gilmar explicou que o som não pode ultrapassar os 70 decibéis e nem a caixa de som pode estar virada para a rua ou na rua. “São regras que devem ser cumpridas e vão ser cobradas”, finalizou.

Assessoria de Comunicação
Câmara Municipal de Montes Claros